Os partidos precisarão de mulheres para concorrer às eleições de 2020

Com o fim das coligações proporcionais, a atenção para atingir a cota de mulheres candidatas deverá ser redobrada pelos partidos políticos para as eleições de 2020.

Antes, nas coligações proporcionais, as legendas dividiam a cota de 30% para candidatas mulheres, agora, cada Partido precisa montar a sua própria chapa. Isso levará à corrida para filiação de mulheres dispostas a enfrentar campanha eleitoral.

As dificuldades dos partidos serão enormes, por isso da resistência à cota. Mas a Comissão de Constituição e Justiça do Senado derrubou a proposta de acabar com a reserva de vagas para mulheres. 

Se antes já era difícil as coligações conseguirem atingir essa cota, agora será mais difícil para os partidos.

Imagine em uma pequena cidade, onde um determinado partido (também pequeno) terá 10 candidatos homens, para que a suas candidaturas estejam de acordo com a legislação eleitoral, o mesmo deverá ter 3 candidatas mulheres.

A situação será ainda pior para grandes partidos, pois deverão ter ainda mais mulheres.

A grande questão é que em pequenos municípios, os partidos ainda não tem filiadas suficientes e em uma quantidade segura para poder atingir essa cota.

Há e é urgente a necessidade dos presidentes de partidos e pré candidatos já começarem a campanha para filiação e atrair mulheres para o partido, sob risco de não poder lançar candidatos.

Candidatas laranja

Não seja uma candidata laranja

A justiça eleitoral está cada vez mais atenta a candidatas laranjas que são colocadas pelo partido apenas para cumprir a cota legal.

Nas eleições de 2018, Mais de 35% das mulheres que concorreram à Câmara receberam menos de 320 votos e podem ter sido escolhidas como laranjas para burlar a lei de cotas femininas.

Hoje, o processo eleitoral é todo informatizado e o cruzamento de dados pode ser feito em tempo real, levantando quem são os candidatos laranja.

Conheço casos em que, após as eleições, a justiça eleitoral intimou candidatas que supostamente foram laranjas para esclarecimentos.

As eleições de 2018 mostram que o numero de mulheres ocupando a cadeira no legislativo cresceu, havendo um aumento de 51% no número de mulheres eleitas em relação a 2014. O número passou de 51 para 77 deputadas neste ano. Isso quer dizer que a nova Câmara vai ter 15% de mulheres na sua composição. E isso pode ser um incentivo para a participação feminina nas eleições de 2020. Você, que é dirigente de algum partido, não há necessidade de candidatas laranjas se você se planejar com antecedência e começar buscar mulheres que querem entrar na política

2 comentários em “Os partidos precisarão de mulheres para concorrer às eleições de 2020”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *